À beira dos grandes centros, urbanos e culturais: Companhia da Chanca promove a quarta edição do ciclo Dentro da Casa, À Beira da Aldeia

Pelo quarto ano consecutivo, a Companhia da Chanca promove, o ciclo Dentro da Casa, À Beira da Aldeia (DCBA), que regressa já no próximo fim-de-semana às freguesias do concelho de Penela. Em 2024, a companhia convida um conjunto de agentes que desenvolvem o seu trabalho à margem dos grandes centros urbanos e dos maiores pólos culturais.
Em 2024, os espectáculos prolongam-se pelo verão e decorrem em julho (todos os finsde-semana), agosto (dias 2 e 31) e em setembro (18 a 22). Com esta iniciativa, a Companhia da Chanca pretende proporcionar às populações destes territórios de baixa densidade a fruição de obras de arte contemporânea e experiências artísticas
democráticas.
Com o intuito de ir ao encontro da população, o DCBA volta a abrir com um concerto do N-Semble da Sociedade Filarmónica Penelense, no dia 7 de julho, na aldeia das Cerejeiras. Nos dias 19, 21 de julho e 2 de agosto, a Companhia da Chanca promove cineconcertos ao ar livre em Fetais Cimeiros, São Sebastião e Penela.
O ciclo de programação DCBA volta a trazer dois realizadores à vila do Espinhal. Na noite de 12 de julho (sexta-feira), será exibido Onde está o Zeca? (2024), o novo filme de Tiago Pereira, realizador conhecido pelo projeto A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria. É o seu segundo filme sobre Zeca Afonso, depois de José Afonso, insisto não ser tristeza (1996).
Já no dia 26 de julho (sexta-feira), o DCBA recebe o realizador David Rebordão, autor da curta-metragem «A Curva», o trabalho de ficção em português mais visto de sempre. A celebrar 20 anos, «A Curva» tornou-se um fenómeno viral com a plataforma Youtube, tendo atingido cerca de 80 milhões de visualizações. David Rebordão
considera-se «um realizador de guerrilha» e traz ao Espinhal cinco curtas da sua autoria.

Os fins de semana de 13-14 e 27-28 de julho são dedicados ao teatro. No primeiro, a companhia de Oliveira do Bairro We Tum Tum apresenta o espectáculo CRASSH_DuoCircus no Espinhal e na Chanca, às 18.00. Os We Tum Tum têm uma equipa jovem e as suas criações artísticas têm uma forte componente cómica, visual, de interação com o público e de disciplinas circenses, em que criam música ao vivo com
malabarismo e objectos do dia-a-dia.
O fim-de-semana de 27-28 de julho é marcado pela actuação da Companhia Peripécia Teatro, da aldeia de Adoufe, Vila Real. Com 20 anos de atividade, os Peripécia trazem Fardo, um espectáculo concebido a partir das máscaras de madeira do Carnaval de Lazarim, ao Espinhal e à Chanca, respetivamente, às 18.00.
Numa segunda fase, a performer, coreógrafa e figurinista Carlota Lagido apresenta, a 31 de agosto, o espectáculo Atlas. Carlota Lagido tem uma carreira de mais de 25 anos, iniciada no movimento da Nova Dança Portuguesa, e trabalhou com nomes como Vera Mantero ou Francisco Camacho. Criou em 2021, em Alfafar, a associação Lugar do Meio — Centro de Experimentação e Criação Artística, onde será apresentada a sua instalação-performance.
Para encerrar o DCBA 2024, o clown belga Joseph Collard apresenta, de 18 a 22 de setembro, o espectáculo Zic-zag. Collard foi artista do Cirque du Soleil e o seu espetáculo a solo já correu a Europa, Canadá, Brasil e Japão. Aos 70 anos, Collard é reconhecido como um mestre do humor visual. O seu espectáculo visitará várias
instituições e freguesias do concelho de Penela.
«A quarta edição do DCBA é composta por companhias e artistas que, tal como a Companhia da Chanca, desenvolvem a sua atividade fora dos centros urbanos e dos seus circuitos culturais. É um trabalho que encaramos como um grande privilégio, que nos permite viver um país diferente, e consideramos importante dar palco a quem
contribui para esta riqueza cultural», afirmam André Louro e Catarina Santana, da Companhia da Chanca.
O concelho de Penela situa-se na fronteira do distrito de Coimbra com o distrito de Leiria.
Foi para este território que André Louro e Catarina Santana se mudaram em 2015, criando a Companhia da Chanca, e é nele que têm desenvolvido diversos projetos, como o ciclo Penela Qual Idade?, cujo trabalho passa por reunir várias gerações em torno do tema do envelhecimento.
A mostra Dentro da Casa, À Beira da Aldeia 2024 é uma coprodução com a Casa Família Oliveira Guimarães e conta com o apoio da República Portuguesa, DGArtes, Antena 2, Câmara Municipal de Penela e todas as juntas de freguesia do concelho.

Outros artigos

Deixe um comentário

Back to top button
Close
Close