Carlos Silva desafia António Costa a dizer-lhe se tem um problema com ele. “UGT pode fazer pagar caro esta humilhação”

Secretário-geral da UGT desafia primeiro-ministro a dizer "olhos nos olhos" se tem um problema pessoal com ele. Carlos Silva admite compromisso, mas UGT pode não estar disponível para novos acordos.

Carlos Silva desafia o primeiro-ministro a esclarecer “diretamente e olhos nos olhos” se tem algum problema pessoal com ele. O secretário-geral da UGT esteve esta segunda-feira no programa “Direto ao Assunto”, da Rádio Observador, e voltou a falar no “incómodo” que existe dentro da central sindical próxima dos socialistas, não só em relação ao Governo, mas sobretudo em relação ao primeiro-ministro, com quem – diz – nunca teve uma reunião, nem a nível institucional, nem a qualquer outro nível. Apesar dos vários pedidos para uma audiência feitos ao primeiro-ministro e que ficaram sem resposta.

Assume que essa é a principal razão pela qual anunciou que não se vai recandidatar a um terceiro mandato na UGT, um anúncio feito com um ano de antecedência e que também é um “murro na mesa”, um aviso ao Governo. Carlos Silva assinala que, pela primeira vez, a central sindical se absteve de votar a proposta de Orçamento do Estado no parecer emitido pelo Conselho Económico e Social. Mas vai mais longe, ao admitir que a central sindical – que assinou 20 acordos de rendimentos na concertação social – pode deixar de o fazer.

Temos todos de moderar o discurso, eu poderei moderar, mas estou incomodado com tudo isto porque acho que, pela primeira vez na nossa história, a UGT absteve-se no parecer do CES sobre o Orçamento do Estado. É uma questão histórica. E espero que não resvale para outra questão histórica que seria chegar à concertação social, e em plena discussão sobre um acordo de rendimentos, a UGT não estar disponível para assinar. Há disponibilidade da UGT para fazer pagar caro esta ofensa, esta humilhação que está a ser feita à central sindical. A minha função é defendê-la enquanto secretário-geral.

O secretário-geral da UGT admite que colegas da central acham que o distanciamento do Governo e do primeiro-ministro “tem a ver comigo”. E lembra que, enquanto militante socialista, apoiou António José Seguro – que perdeu a liderança do PS para António Costa – e também foi publicamente contra a solução da Geringonça que, em 2015, permitiu formar Governo com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP.

Mas, se esta é a questão, “caberia ao Sr primeiro-ministro responder, como primeiro-ministro ou como secretário-geral do PS. Eu não quero ser uma força de bloqueio. Se o problema sou eu, e não tenho a certeza que seja, afasto-me (…) Se a questão é pessoal, isso tem-me de ser dito. E preferia que isso fosse feito diretamente, olhos nos olhos: A responsabilidade é do Carlos Silva”. António Costa até pode dizer que “está incomodado, não gostar de mim”, mas do ponto de vista institucional “não deve deixar para trás um dos parceiros sociais”. E lembra ainda que, ao contrário do Presidente da República, que esteve em três eventos da UGT, António Costa não esteve em nenhum.

Para além da tomada de posição mais ruidosa que “desse um sinal ao país do incómodo” que existe dentro da UGT, Carlos Silva explicou que é necessário tempo para preparar uma sucessão e o candidato terá de conhecer os dossiês e ser aprovado pela tendência socialista e pelos TSD (trabalhadores social-democratas).

Carlos Silva diz que até existem relações institucionais com o Partido Socialista. “Não pedi reunião ao PS, nem ao secretário-geral, a reunião foi pedida várias vezes ao longo destes últimos anos ao primeiro-ministro para receber um parceiro social cujo líder até é vice-presidente do conselho económico e social e é nesse sentido que gostaríamos de colocar um conjunto de preocupações sobre o momento atual da vida política e social e também do Orçamento do Estado.” Mas até agora, o primeiro-ministro não o recebeu. A última audição sobre o Orçamento do Estado, pedida há três semanas, foi remetida pelo chefe de gabinete de António Costa para a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, não obstante, recebeu a CGTP na semana passada.

            Com todo o respeito quando queremos reuniões com outros membros do Governo pedimos. Mas não era isso que queríamos. Uma coisa é reunir com um membro do Governo, outra é reunir com o líder da equipa que é o chefe do Governo.

Carlos Silva promete que vai continuar a fazer o seu trabalho, mas afasta o cenário de fazer mais um mandato, se a questão com António Costa ficar esclarecida. “Os dados estão lançados (…) Já disse à UGT que não sou candidato. Poderemos ter 1% de hipótese de ser eu outra vez , mas já disse que não quero”. Isto apesar das grandes manifestações de solidariedade que tem recebido por parte dos dirigentes da UGT. Lembra que em 2015, quando atacou a Geringonça e a central se demarcou da sua posição, colocou o cargo à disposição. “Mas a ideia dentro da UGT foi a de manter Carlos Silva e reforçar a unidade. Hoje há uma grande unidade”.

Da UGT para o Novo Banco. Se António Ramalho quiser

Depois de ser secretário-geral, Carlos Silva admite voltar ao Novo Banco, de onde saiu há 20 anos, quando ainda era Banco Espírito Santo. “Sou bancário, tenho 58 anos. Poderei voltar ao Novo Banco se essa for também uma decisão do conselho de administração” liderado por António Ramalho. Mas acrescenta: “Não vou impor o meu regresso. O papel do bancário mudou muito com a revolução digital, é preciso perceber qual a formação necessária. A banca mudou muito, o BES teve uma resolução, perdemos mais de 15 mil postos de trabalho”.

Houve uma transformação do ponto de vista tecnológico, mas também aponta o dedo a “algumas más gestões que contribuíram para o descalabro financeiro do país”. “O setor bancário tem muitas responsabilidades”, salienta.

O secretário-geral constata ainda o “comentário pouco abonatório” feito pelo presidente do PS, Carlos César, segundo o qual Carlos Silva só ficaria na história do sindicalismo se desse um murro na mesa. “Fiz muitas coisas nestes seis anos e meio, não só do ponto de vista financeiro e organizativo e da nova sede”, mas sobretudo nos acordos de concertação social.

Assinala que conseguiu “arrancar” um acordo a Passos Coelho em 2014 para descongelar o salário mínimo que ficou na mesma durante os anos da crise. E “não foi com um murro na mesa”. A UGT, acrescenta, manteve algum apoio ao Governo e ao ministro Vieira da Silva (que tinha a pasta do trabalho até 2019) na revisão do código do trabalho.

A UGT “é tremendamente atacada por alguns setores da sociedade portuguesa por assinar acordos de concertação social” que a CGTP rejeita, na sua maioria. Mas só assina aqueles com os quais está de acordo e que acha importantes.

Sempre estivemos disponíveis para acordos, mas com este destratar da central sindical ao mais alto nível qual deve ser a nossa disponibilidade para assinar qualquer acordo? Quero acreditar que pode haver compromissos, mas o Governo tem de dar algum sinal de abertura e tem de vir ao mais alto nível.”

Outro recado ao Governo é a união das duas centrais sindicais contra o Orçamento do Estado, que descreve como “profundamente desequilibrado” para os trabalhadores e face às expetativas e aos compromissos do próprio primeiro-ministro que começou por dizer que a prioridade era a valorização dos salários. “É natural que todos os sindicatos da função pública tenham uma resposta de rejeição. É este o nosso papel no dia 31 de janeiro”.

 

Outros artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close